26 de dezembro de 2009

Trechos do meu primeiro conto.

Ela nunca achava que tinha dado um passo maior do que deveria. Ao contrário: pensava que sempre devia ir onde suas pernas alcançassem e sua vontade quisesse. Seu desejo era intenso e destemido, desde que se percebeu mulher.

Ela não jogava. Não porque não soubesse, mas porque não gostava, não lhe fazia bem. Ele sabia disso.
(...)

Aliás, toda mulher constrói as próprias fantasias, românticas ou não, afinal faz parte dos resquícios da história da humanidade que as mulheres sejam fantasiosas...o que mudou através dos tempos foi a expectativa de vir a realizar esses sonhos de 'Cinderela'. A 'Cinderela' atual não vive em função do príncipe, nem espera encontrá-lo de fato. Ela se tornou emocionalmente mais versátil.


Ela se identificava com ele e isso o tornava especial.

Ele, entretanto, acometido da ferina objetividade e praticidade do sexo masculino, disse que ela se emocionava demais...e nisso perdeu boa parte do encanto.

Palavras. Começam e encerram muitas coisas.

Talvez ele tivesse razão, entretanto ela acreditava que é assim que a vida realmente vale, quando se é capaz de sentir emoção naquilo que se vive.
(...)
É muito bom quando não se perde tempo acreditando em falsas verdades, então está tudo muito bem ! Ela saía dessa estória mais adulta, sem ressentimento ou nada que dê trabalho... isso tornava tudo mais fácil para ambos.
Depois disso o casal ainda se reencontrou algumas vezes, sem que nunca tenham se encontrado realmente...ainda aconteceu uma atmosfera mágica, detalhes que fizeram a diferença: uma noite estrelada, um desejo intenso, o ritmo do CD de Santana.
(...)
Na última vez em que ele a procurou ela não se sentiu tentada a vê-lo...o cheiro, a química, o clima de antes...acabou. Ele não sabe disso, talvez o ego dele seja autoconfiante demais para alimentar esse tipo de suposições. E ela? Bem, ela não sentiu a menor vontade de dizer isso a ele ou qualquer outra coisa.
(SSA, 2000)

Rapidinha

Não é muito comum perceber a sede de entrega num mundo onde todo mundo quer ficar, se curtir, se pegar ou coisa semelhante...Não me importa ! Eu nunca quis ser igual às outras mesmo.(rs)
O tempo tanto alimenta, quanto afugenta expectativas de paixões.

Há tempos desejei a alguém, hoje desejo a todos.

Os verbetes abaixo eu elaborei no cartão de naiversário de um amigo-confrade há alguns anos.
Hoje revisitei o texto e desjeo a todos em 2010:

AMIZADE
Sempre, para qualquer coisa e a qualquer hora. Desejo que você acorde todos os dias de sua vida com plena consciência dos amigos que conquistou ao longo da vida e do quão importantes eles foram, são e serão na sua existência. Que haja sempre um deles para lhe consolar ou animar, dividir uma dor ou uma alegria, escutar um novo sonho ou descoberta, discutir a vida, tomar uma boa e descompromissada cerveja, falar de futebol/mulher/carro/afins, te surpreender com conselhos...e que também você seja procurado por amigos em busca de ouvir seus conselhos, receber um abraço de alento, contar um segredo, uma vitória ou mesmo uma desilusão...
 
AMOR
Já cantaram: “é impossível ser feliz sozinho...”, já disseram “só os covardes não amam”, já temeram: “será preciso ficar só pra se viver ?”. Eu recomendo: pelo menos uma vez na vida (se permita) /experimente viver o Amor de verdade. E que dê tudo certo ... faço votos de que vc encontre e conquiste uma mulher bem real (pq não existe a príncipe/princesa encantado(a) para ser só seu/sua e você dela e que consigam seguir em harmonia um só caminho. E que até esse dia, você saiba procurar, seguindo o destino que o seu arbítrio construir.

DINHEIRO E REALIZAÇÃO PESSOAL
Que essas duas coisas andem juntas e que você entenda o quanto antes (se é que já não tem essa percepção...) que pouco vale o dinheiro, se não fazemos o que nos faz bem. Não vou, contudo, subestimá-lo: na vida real, realização pessoal, por si só, não basta... muitas vezes o dinheiro é um meio de chegar a ela. Por isso, eu desejo que você saiba aliar essas coisas.


Não, não falei de religião... falei de fé; Seja em Deus, seja na Vida ou simplesmente em você mesmo. Fé é essencial para seguir adiante em qualquer caminhada.A fé é a luz que guia.

SAÚDE
Sem isso nada adianta. E esse desejo eu dirijo a vocês e a todos aqueles que você ama, em especial sua família. Porque, sem dúvida, a saúde daqueles que amamos é também uma benção para nós e essencial a nossa felicidade.
 
HUMILDADE
Não porque você não a tenha, mas para que a mantenha. Isso lhe fará sempre um pouco melhor do que é.
PAZ
Porque quando estamos em paz é mais fácil SER VERDADEIRAMENTE FELIZ e fazer bem a tudo que está a nossa volta.
 
PRAZER

Via de regra, os homens costumam resumi-las a: mulher, futebol e dinheiro. Se for assim, que assim seja.
Na minha opinião, seriam as coisas simples, muitas vezes ‘mundanas’, efêmeras, algumas até bem fúteis, que, contudo, dão imenso prazer, alegria, contentamento. É bom pra sair da rotina, pra se descobrir ainda jovem, vivo e reabastecer o corpo e a mente para a vida real...

SONHOS & OPORTUNIDADES
Que graça tem a vida se não estivermos sempre sonhando ?! Por isso, eu desejo que você sonhe e que seus sonhos lhe alimentem a alma. E desejo, ainda, que, por sorte ou empenho, cada sonho seu tenha ao menos uma chance de se tornar real e que você tenha noção dessas ocasiões capazes de mudar a sua vida.


 
foto da web

22 de dezembro de 2009

Verão em Salvador - liberdade ?


Chegou o verão, tempo de corpos quentes, suados e ávidos por pegação (ou não?).


No fundo esse é apenas um clichê dos países abaixo do Equador, muito utilizado no Brasil e mais ainda nas cidades banhadas pelo mar. E com certeza se aplica a Salvador, Bahia.


A combinação mar e sol traz implícito um convite à diversão, em todos os sentidos. Se acrescentar axé music, pagode e ains, a coisa fica um tanto mais quente. Com uns goles de cerveja, então, ...é melhor relaxar porque ninguém segura !
É comum nessa época do ano as pessoas se sentirem obrigadas a sorrir, a expor seus corpos e tomar sol. Em Salvador, a gente se sente meio obrigado a se sentir feliz, sexualmente ativo e com grana pra estar em dezenas de festas por semana (ás vezes mais de uma por dia.).

Esse clichê do verão baiano atinge sobretudo adolescentes, solteiros e solteiras emocionalmente disponíveis, narcisistas e acometidos pela síndrome de "peter pan".
(In)felizmente, há muito mais nesse mundo do que sol, mar, cerveja, axé music e beijo na boca sem compromisso.

Depois de muitos verões assim, no ritmo frenético da capital baiana, "tomada" por todos esses clichês, a pessoa que vos escreve é um ser livre para se sentir como quiser e fazer o que bem entender na cidade do sol e axé. E acreditem: é muito divertido !!

E quem é você no verão de Salvador ?
*

9 de dezembro de 2009

Fotografia - um caso à parte



A imagem acima (tão linda que parece imaginária) ganhou o concurso de fotografia digital promovido pelo site  PhotoRadar -  veja notícia .
Vendo agora há pouco a notícia sobre o resultado do concurso, me dei conta de que nunca falei aqui sobre meu flerte com a fotografia...

Desde criança eu gosto de fotografia. Meu pai tinha uma câmera semi-profissional, linda, meio prata , meio preta, e por várias vezes fotografou a mim e meu irmão com ela. Naquele tempo usava-se filtros coloridos para dar efeito às fotos e era comum tranformar fotos em poster. Ele tinha vários acessórios, inclusive, tripé,
Duas fotos que meu pai tirou de mim ainda bem pequena ele tranformou em poster. Uma delas estragou e era a minha preferida: eu de gorro de lã bege, num close, numa visita do Papa ao Brasil (salvo engano em Salvador, mesmo). Era linda a foto...
A outra, eu sentada numa árvore (nem me perguntem como tiveram coragem de me deixar lá pra tirar a foto - rs); dessa foram feitos 2 poster´s e um deles está hoje no meu quarto. Aquele imagem reteve no tempo um pouco da minha infância, do amor dos meus pais e de um felicidade inocente e sem pretensões de que só crianças são capazes.
Eram momentos muito especiais e eu consigo lembrar deles, mesmo que vagamente, ao ver as fotos. Consigo "ouvir" as risadas minhas e de meu irmão enquanto meu pai observava a gente. Aquelas fotos eram um jeito dele entregar o tempo dele à família e demonstrar amor.
Fotografia pra mim é a mágica de reter uma imagem e suas traduções e efeitos. É também fetiche, uma demonstração de atenção e uma terapia.
Terapêutico porque desliga minha mente do mundo e dos pensamentos, mesmo os mais repetitivos ou tensos. Concentrar-se na imagem e no que se acha belo ou interessante me faz viajar tanto quanto uma leitura.
Fetichista porque algumas imagens levam à criatividade, provocam o imaginário e evocam desejos e sensações.
Sentimental porque uma imagem pode ser interpretada de muitas formas e produzir sensações diferentes, assim como essa interpretação ou sensação pode mudar no decorrer do tempo. O que hoje parece um espelho, no futuro lembrará a juventude; a imagem de hoje será a razão visível da saudade que surgirá no futuro. (Meu álbum "dias felizes" me mostra isso.)
Divertido porque é um hobby e uma paixão que fica mais intensa a cada dia.
E fotografar é também um carinho, quando feita espontaneamente ou por´prazer. Apeende-se uma imagem para mostrar a alguém algo d enovo ou de belo ou para mostrar comos e vê os detalehs desta pessoa. Quando fotografo alguém de quem gosto ou quero apreender aquela imagem e torná-la eterna, emmso que seja apena spra mim, ou quero mostar o quanto sou capaz de observar esse alguém sem nenhuma outra pretensão a não ser a atenção a seus detalhes....pode ser um riso, um olhar, um jeito de pegar os objetos, as mãos, os pés...o fotógrafo, profissional ou não (neste caso até é melhor que nãos eja profissional) faz do fotografado o único ou principal foco da sua atenção, do seu olhar e isso é muito raro nos dias de hoje.
Eu comecei com as descartáveis. Depois, veio a minha primeira cãmera; meus pais me deram quando eu tinha entre 10/12 anos e era uma Yashica azul. depois tive uma Nikon que não rpecisava rebobinar e fazia ajuste de foco automático e com uma lente melhor. 
A primeira digital (que foi a mais querida) foi uma Samsung. Minha frustração foi uma Sony dada com MUITO amor. Depois descobri a praticidade e a multiplicidade de clicks com a câmera cybershot do meu Sony Ericsson, depois do cartão de 1 giga, claro.
Agora meu encontro é com "Valentina", o nome com que batizei minha Nikon P 90, que não é uma profissional e ainda não foi totalmente dominada, mas tem me proporcionado ótimos momentos.

Ainda não sou boa o suficiente pra pensar em fotografia como meio de sobrevivência, mas sempre foi algo de que gostei e hoje é algo que faz a minha vida melhor, me acalma, me esvazia a mente e rende boas conversas e muito interesse.

23 de novembro de 2009

Onde encontrar o AMOR ???

Um dia ela decide que está pronta para amar, ter alguém na sua vida e fazer parte da vida de alguém. Ótimo !!
Então, Ela olha para os lados: ninguém. Olha pela janela...meros passantes, transeuntes na sua história. Lembra das amigas: todas casadas. Lmbra dos amigos: também já casados ou seguiram o rumo da solteirice sem prazo de validade, a la Peter Pan.
Ok. Ela lembra da sua agenda...velhos amigos, ex-amigos, ex-quase-mais-que-amigos, ex-quase-namorados...ninguém que se aproveite na nova decisão de amar.
Pânico ??? Não...ainda não.
Ela pensa mais...bem, semrpe tem a balada. Pensa melhor: nem ela, nem ninguém que conheça, a não ser as exceções que confirmam a regra, conheceram alguém para viver um grande Amor numa balada, na night. Não que não estivessem lá os grandes amores de várias histórias...estavam sim...mas não para amarem uns aos outros; saíram da balada e conheceram um alguém especial ou porque conehceram o Amor. Afinal, quem conhece alguém numa balada ? No máximo, beija-se alguém, mas conhecer, saber alguma coisa de verdadeiramente importante sobre alguém e que vá ser lembrado no dia seguinte, depois da ressaca, isso é outra coisa...bem difícil de rolar numa balada, numa curtição.
Pois bem... antes que o pânico se instalasse, lembrou de todos os lugares atípicos onde Ela ou uma de suas amigas ou amigos haviam conhecido pessoas interessantes que poderiam ter sido um Amor ou que foram além do simples oi...
Tinham os clássicos: trabalho, cursos variados, academia, fórum, praia, barzinho, mas tinham os atípicos:
- sala de espera de consultório médico
- loja de pneus
- lanchonete depois de encerrar o bloco de carnaval
- farmácia  (depende, claro, do remédio que vc foi comprar e da iniciativa de uma das partes)
- shopping (depois dos 30 é mais raro, pois somos mais objetivos nos shoppings)
- teatro (e o cara estava no palco)
- entrevista de emprego
- trânsito
- ônibus
- avião
- consulta médica
- fisioterapia (pode ser o(a) fisioterapeuta ou o paciente)
- sala de bate-papo na internet
- aeroporto
(...)
Todos esses lugares guardam pessoas interesantes que poderiam vir a ser o próximo Amor dela.
O que Ela sabia era o mais importante: estava pronta. Agora bastava que o inesperado fizesse a sua parte. Ela ficaria atenta, mas não alerta, cuidando de si mesma e da própria vida, pois o Amor é muita coisa, mas não é tudo e não chega para desocupados de si, disso ela já sabia.

17 de novembro de 2009

Pensar menos; existir mais.

Eu penso demais e quase o tempo todo. Daí, vem minha ansiedade, ás vezes sutil, às vezes notória, às vezes angustiante.

Penso muito sobre a vida, o futuro, a conduta das pessoas comigo e sobre minhas condutas comigo e com as pessoas.

O que eu descobri pensando tanto ? (risos) Que não resolve muita coisa pensar muito sobre um problema, um sonho ou alguém. No máximo, entramos em ciclos de pensamentos viciosos ou num gerador de suposições (a "espiral da maluqice", nas palavras de uma amiga.).

Importa mesmo é viver, agir, manifestar um pensamento.

Pensar é bom até o limite em que não atrapalhe o agir. Pensar é bom, se está voltado á ação, á solução ou elaboração racional de uma experiência. Pensar é indispensável, mas não pode ser a única coisa que se faz.
Pensar simplesmente, não é viver. Pensar é estático demais, solitário demais e pode ser sofrido demais também. Nunca será dispensável ou inútil, mas nunca será o bastante ou a única coisa a se fazer.
Os budistas baseiam muito de sua filosofia no momento presente e ensinam que não s epode viver ontem ou amanhã, ams apenas hoje.
Por isso, às vezes é preciso parar de pensar, vestir um certo colorido e ir pra rua, VIVER sem pensar em nada...tornar-se parte do AGORA !

Este conselho é pra mim mesma, mas pode ser que sirva pra você também.

14 de novembro de 2009

Ele e Ela : Parte final - Desencontro

Vinícius definiu com excelência: "a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida."

Depois do melhor dos encontros, o mais vivo, o mais íntimo (emocionalmente) e onde tudo parecia estar começando para Ele e para Ela num Nós, ele enterrou tudo com um: "não estou gostando de você como você de mim; o problema não é você, sou eu - essa foi clássica !- e por fim:~gosto de você, tenho tesão, mas sinto que não vou conseguir te amar."

Amor é predisposição, investimento e fé. paixão é que cai do céu...mas em ambos os casos, não há espaço para convencimento. Ela não queria convencer alguém a amá-la.

Ele tinha sido muito contraditório desde o início - o que msotrava seu conflito interior - um dia pré-agendava uma viagem a dois, no outro não conseguia amá-la, COMO ASSIM ?! Com quantos homens elas estava lidando ?

Num dia, conversas de namorados, mãos dadas e muitos beijos; no outro, não dá.

Ela queria ter dito que ele não passava de um pretensioso, mas não conseguiu. Estava mesmo gostando dele e na véspera tinha se sentido uma mulher feliz.

Ela ouviu a sentença de abortamento da possibilidade, a decisão covarde ou pragmática que lhe açoitou o desejo e os sentidos...chorou...choro seco, sufocante, de quem expurga algo, mas também lamenta muito. Choro sentido. lamentava por si, que há tempos não se permitia tanto. lamentava por ele, pois sabia que poderia fazê-lo amado e feliz. Chorou de raiva, por ter percebido antes e ter fugido das complicações em lugar de dar tempo e fazer concessões.

Não era perfeito, não tinha espaço para todos os seus sonhos, não saciava seus desejos e ela queria mesmo assim... Teimosia nas coisas do amor, é burrice e perda de tempo !!

Depois de muito chorar e até perder a razão, depois de maldizer sua capacidade de acreditar numa possibilidade amorosa, enxugou as lághrimas e cumpriu sua promessa: lembrou de todas as coisas ruins que seu coração superou e de como havia chegado até ali. Lembrou que a recusa era dele e realmente poderia não dizer respeito a ela. lembrou que se dizia respeito a algo nela, é porque não era ele o homem com quem seria feliz.

Tomou passiflora, ouviu um pouco de música alta, fez as unhas e o cabelo e decidiu que não mais pararia a sua vida porque um alguém não enxergou a sua luz... ela valia mais do que migalhas, ela merecia mais do que um pedaço, ela não se saciaria com menos do que tudo.

Se não era pra ser, que não fosse e também não ia fazer disso mais um drama na sua vida. Um dia poderiam até ser amigos...provavelmente seriam; Ele era bom.

"Me venha quente ou frio, mas não me venha morno, que eu te vomito."

The end.


Felicidade é de repente !!

Felicidade pode ser um dia de sol numa cidade onde há praia; um sorvete com gosto de infância; um amigo com um sorriso de conforto; um abraço com gosto de ponto final na saudade;

Felicidade pode ser um elogio inesperado; um convite muito aguardado; um livro que nos rouba a atenção; um filme que nos motiva; uma música que nos faz cantar;

Felicidade pode ser o colo de mãe; colocar um filho no colo; ganhar um elogio do pai; receber um pedido de irmão; fazer um favor a um amigo; ser gentil com um estranho; receber uma cantada sutil e inusitada;

Felicidade pode ser colorir com uma criança; correr com um cachorro; descobrir um talento novo; ouvir alguém cantar;

Felicidade pode ser um brigadeiro no meio da dieta; terapia no meio do desespero; pôr-do-sol em dia azul; lua cheia de mãos dadas;

Felicidade pode ser visitar uma construção; fazer de conta com um cúmplice; ganhar beijo roubado; sentir um cheiro gostoso; ficar meio grudado; ouvir os segredos do outro e depois de longos beijos de boa noite seguir sorrindo sozinha, cantando alto dentro do carro, simplesmente porque o dia de hoje aconteceu !!

Felicidade pode surgir assim num estalo, quando você menos espera ou planeja, no dia em que você sai descabelada e de havaianas só para ir até a banca de revista';

Felicidade geralmente é sorrateira, imprevista, aparece no fim da tarde sexta-feira ou até numamanhã de segunda...

Felicidade é coisa que a gente procura, mas é ela quem nos encontra, assim, de repente !!

13 de novembro de 2009

ps.

O que o tempo leva não é o encontro, mas o desencontro e a separação. O encontro é coisa viva, presente, que corre no tempo. A separação é que é estática, matéria morta, ainda que em carne viva. De qualquer modo, a escolha está sempre com cada um e nos dois ao mesmo tempo.

PARTE II - Ele, Ela e o precípicio ou Possibilidade amorosa

Da maneira mais inusitada eles se encontraram. Dentre os bilhões de seres que habitam esse planeta, justamente eles vieram a se encontrar.

Eles se conheceram mostrando uma alma aberta cheia de boas intenções e, ao se depararem com afinidades, desejos foram evocados e mais tarde foram se misturando tesão, carinho e amizade. Eles se mostraram predispostos ao que queriam, mas mostraram o que queriam mostrar.

Cada pessoa deste mundo não é apenas carne osso e cérebro, é principalmente o resultado de suas circunstâncias e experiências, enfim um complexo subjetivo de idéias e emoções, por assim dizer.

Em cada “infinito particular” há um caminho a percorrer para se atingir a essência do sentimento. Um caminho que percorremos sozinhos e um caminho que o outro percorre, ambos às cegas.

Em suma: cada um tem suas próprias confusões e para amar tem que superar esses obstáculos internos. De giual modo, o outro, aquele que chega, tem que suscitar, sem saber, essa vontade de superação, essa disposição e esperança que irão sobrepor frustrações passadas.

Por outro lado, se deixarmos as frustrações passadas comandarem nossos destinos nos tornamos amargos, frios e a vida fica tão pragmática e cinza que não há muito pelo que viver...apenas sobrevive-se !!

O que é a vida sem a esperança de amar ? O que é um indivíduo que desistiu das outras pessoas e do amor ? De que é feito o Homem que não ama ? Isso existe  -  a renúncia absoluta ao amor ?

No filme Thomas Crown, há uma frase bem interessante, algo como: “dois porcos-espinhos não se abraçam.”. Isso faz pensar: como esses bichinhos se reproduzem ??? (risos). Na verdade, o que o diálogo traz à tona é a inviabilidade de um relacionamento entre duas pessoas que se defendem o tempo todo de sentir.
Amor, paixão, amizade, nenhum sentimento que aproxima ou une duas pessoas tem seguro ou garantia qualquer. Nenhum deles traz certeza, mas um mundo de possibilidades: o inesperado se abre à nossa frente, quando nos abrimos a uma outra pessoa. Todo sentimento é um risco de ganho ou de perda.
Esperem !! Há sim uma certeza: o aprendizado. É impossível relacionar-se com um outro ser humano sem aprender algo e, muitas vezes, é alguma coisa que há tempos queríamos ou precisávamos aprender, quiçá uma peça que faltava no quebra-cabeças do autoconhecimento.
Pois bem. Nos primeiros encontros Ele e Ela pareciam ter iniciado esse processo de conhecimento mútuo e de receptividade recíproca. Pareciam prontos para aproveitar aquele Encontro.

No início, Ela estava cheia de cautelas e ele arrojado, cheio de idéias – imagine um convite pro reveillon em pleno S. João, por exemplo ?...risos.

Ressabiada, ela punha alguns freios no entusiasmo dele; já tinha sido ferida e a última vez demorou a cicatrizar. Sua alma impetuosa tinha se iludido muitas vezes e ela não queria ter que lidar com um novo desengano. Não era dada a superficialidades, mas muitas vezes teve que enfrentar a banalização do que lhe era especial.

Ela tinha medo de se entusiasmar e se ver de novo só e frustrada. No fundo de si, ela guardava a idéia de que a maior reação às feridas, ou ao acaso que lhe desfavoreceu, era a resiliência, a reconstrução de si, a capacidade de tentar de novo...tinha vivido de modo a fazer de si uma Fênix emocional. O renovar de suas esperança no amor e nas pessoas era que a fazia sentir vencedora, pois a amargura era para os fracos de espírito, cuja luz não brotava da tristeza. Não era esperançosa o tempo todo, tinha medos como todo mundo, mas se negava veementemente a ser amarga e conformada e para isso se vigiava constantemente. Porque é preciso vigília para não se deixar abater e apagar pela dor.

Ele, por outro lado, chegou como se tivesse a alma limpa e sem marcas, cheio de autoconfiança como quem superou por completo todas as experiências negativas que já viveu ou como quem nunca amou (só quem nunca amou, nunca sofreu de amor).

Ele desafiou aquela mulher a confiar na sua voz doce e seus olhos de sonho e paz, mas não suportou quando viu esperança nos olhos dela. Talvez nem soubesse quem era até ali, até se ver diante do que ‘não tinha e não sabia se poderia ter’. Como alguém que esconde muitas cicatrizes imperceptíveis aos olhos dos outros, ele se retraiu e a afastou. De doce, passou à secura da objetividade; os sonhos se transformaram em pragmatismos desfavoráveis; possibilidades foram aprisionadas em decretos de inviabilidade e a chance de amar se transformou numa dúvida interminável.

Provável que ele nem mesmo soubesse o tamanho de sua falta de esperança, de sua pouca coragem ou disposição para se abrir diante de uma possibilidade amorosa.

Sim, de um encontro não nasce o amor, mas possibilidade amorosa e , em seguida, outras possibilidades vão surgindo e a cada escolha um caminho vais e desenhando, um caminho muitas vezes inimaginável, completamente inesperado.

À primeira prova de que as coisas poderiam se aprofundar e virar uma história, Ele se retraiu, virou do quase do avesso, mostrou-se o oposto da pessoa que a havia tocado. Conhecem aquela folhinha que se fecha ao ser tocada ??!!

Subitamente, ele agiu como se estivesse certo de que tinha ganho o coração daquela mulher "sem querer". Tolo engano: ele sequer a havia conquistado por inteiro e já começava a perdê-la a cada instante.

Dentro de si, Ela se revoltou com o desengano e se afastou, indignada com a própria capacidade de investir no ser humano e em sentimentos. Ainda não seria dessa vez, pensou. Não seria dessa vez que ultrapassaria a superficialidade que reina nos dias atuais e conheceria por inteiro um outro homem ou que poderia se apaixonar de novo.

Era possível que Ela não tivesse intuição alguma , apenas vontade ? Devia , enfim, resignar-se em alcançar a paz na solidão ? Era esse o caminho a seguir ? Não é possível que o mundo estivesse a lhe dizer isso !!

Ele procurava dentro de si uma escolha: responder àquele chamado ou seguir do jeito que estava ? seria possível nunca pensar em como teria sido entregar-se a Ela ? Agora que a tinha conhecido, que sentiu a vida sussurar no seu ouvido um convite, era possível simplesmente seguir em frente numa marcha seca e ríspida como se nada tivesse acontecido ? Eram tantas promessas nas entrelinhas das conversas, tanta energia no toque e tanta intimidade incompreensível e ilógica quando estava com Ela...  Iria aquilo tudo bagunçar ou reorganizar o seu mundo ?

Postas as cartas na mesa, Ela e Ele tentaram se reencontrar, mas não se sabe que fim isso teve ou terá. Eles ficarão bem, juntos ou não, cada um à sua maneira.


Entendo o que houve com Eles. É difícil atirar-se nesse precipício chamado o Outro. Como bem disse Djavan: “não existe amor sem medo”. Mas como sentir as delícias de amar e ser amado sem buscar em si mesmo a coragem que é indispensável para ser digno de amor ? O próprio Djavan responde na mesma música: "quem não pra quem se dar o dia é igual a noite, tempo parado no ar, calor, insônia."

Covardes até se casam, mas não amam por inteiro. Só aos corajosos a paixão e o amor se mostram em plenitude.

Não se sabe ainda o desfecho desse encontro, mas como esses dois, milhares de pessoas andam se encontrando por aí e deixando de viver possibilidades deliciosas em virtude de medos que nada mais são do que a supervalorização da dor em detrimento da esperança.


No que me diz respeito, mesmo que não haja fé e esperança o tempo todo, mesmo que eu tenha cicatrizes e histórias de horror no baú particular da minha existência, não vou renunciar ao amor nunca. Me recuso a renunciar ao amor. Me chamem de louca, piegas, ridícula, nada disso vai importar...porque cada vez que penso na delícia que é amar e ser amada, minha alma viceja, a vida ganha sentido e a esperança se renova e foi essa a escolha que fiz pra mim: acreditar, apesar de tudo e por causa de tudo. E enquanto o amor não vem, vou vivendo o que houver pra viver.


E você : casou com a solidão ou está apenas esperando o amor chegar ?

10 de novembro de 2009

Sentir cansa...

Num mundo onde a razão e a objetividade são supervalorizados em detrimento da emoção e sensibilidade, ter empatia e ser sensível ou reconhecer subjetividades (minhas e alheias) pode ser bem desgastante...

9 de novembro de 2009

"Eu quero a sorte de um amor tranquilo."

Todo mundo diz que quer amar.
Quantos estão predispostos de verdade a isso ?

Quantos querem isso de verdade ? Quantos querem olhar a pessoa ao lado, negociar vontades, dividir sonhos, assumir a responsabilidade e a delícia de um amor ??
Amor diverte, ilumina, torna a vida mais leve, mas traz responsabilidades com o amor e com quem se ama.

Não adianta pensar que amar é só fantasia, flores e desejo, mas também não precisa ser complicado.
Às vezes complica e é preciso insistir, mas não dá pra ser complicado o tempo todo porque amor é pra tornar a vida mais fácil...porque quando se ama tudo parece menor, mais simples, dividido.
Quando se tem a segurança de um abraço terno à nossa espera no fim do dia, todo o dia tem outro sentido. De mãos dadas, todo caminho parece florido e todo problema parece menor (exceto os do amor).
E a diferença, a leveza não está nas coisas da vida, pois estas continuam as mesmas, o que muda é nosso jeito de encarar a vida.

Para amar, é preciso coragem, de se abrir, se expor, se entregar; é preciso humor, para não levar pequenas diferenças tão à sério; é preciso entrega, para conquistar confiança; libido, para acender o fogo no corpo de quems e ama; é preciso alguma ousadia, para criar novidades e pintar sonhos; é preciso sonhos, para estimular caminho; é preciso caminhar juntos, na mesma direção, com o olhar para o mesmo ponto...são duas pessoas, mas um só caminho e muita vontade de ficar juntos.

Problemas virão e é dos momentos felizes que virão a força e a certeza necessárias para persistir e insistir nos momentos difíceis, onde vc lembrará que não são UM, porque ninguém é metade...
Eh, ninguém é metade. A mídia, os contos de fadas, até livros de auto-ajuda falam de alma gêmea, blá, blá, blá, mas essa história de "metade de laranja" não existe.
Todo mundo nasce inteiro e só, mas tudo é muito melhor com um amor...quase tudo é possível sozinho, mas é melhor compartilhado com alguém especial para gente.

A gente precisa querer amar e, depois de amar e conquistar, querer esse alguém amado por perto, mas querer todo dia, pois amor não é algo estanque, estático que se exaure na conquista do 'eu te amo'. Amor é algo dinâmico e por isso não tem compromisso com a eternidade, embora seja muitas vezes a nossa úncia certeza na vida.

E se você já amou e foi amado(a) pelo menos uma vez na vida, então sabe exatamente do que estou falando...mesmo que seja só uma lembrança.

Desejo que essa lembrança não lhe baste, não lhe tenha saciado a alma e que essa sede de amor lhe mova a amar de novo, lhe dê coragem para amar de novo e que um novo amor lhe venha encher a alma de vida a qualquer momento.

2 de novembro de 2009

A (frágil) condição humana e paradoxos

Tem dias que tudo que menos se quer é sentir a solidão na carne, à flor da pele e em cada víscera...há dias em que poucas coisas nos tiram dessa imersão na consciência de que somos sós.

Temo mais a solidão que a morte, mas já não tenho mais a mesma facilidade de pedir ajuda. Já não vejo com tranquilidade a circunstância de expor meus sentimentos e minhas fragilidades, menos ainda de mostrar que não dou conta de alguma coisa.

O mundo exige tanto de todos...e eu exijo muito de mim. Me dou com mais facilidade do que reconheço que preciso do outro. Gostaria que o outro fosse opcional e eventual, sem que isso me causasse falta, sem que houvesse momentos de urgência...exercito isso.

Ninguém quer ser só, mas quase ninguém quer a responsabilidade de ser necessário, por isso não precisar é um jeito de manter. O exercício de não precisar muitas vezes nos torna menos tolerantes, menos gregários, menos sociáveis, menos...humanos.

E você ? o que exije de si ? o que quer do outro ?

1 de novembro de 2009

PARTE I - ENCONTRO

Eles se encontraram ao acaso, por assim dizer.
Não, a verdade é que de um certo modo tiveram a chance de se escolherem e o acaso deu um aval importante. Se é que o acaso move encontros...
Conversaram um tantinho, ainda distantes fisicamente (milagres da tecnologia), e trocaram predileções e impressões sobre a vida, antes do impactante encontro de estréia.
Sim, com eles foi impactante desde o primeiro encontro. Não houve fogos de artifício ou efeitos especiais apreciáveis por terceiros, mas mexeu com eles.
Ela estava nervosa; chegou antes e temia não saber o que dizer ou como gesticular. Ela odiava quando getsiculava demais ou de menos.
Ao vê-lo, a imagem real dele não era a da sua mente, mas em pouco tempo esse desencontro de projeções se tornou desimportante.
Ele pareceu enternecido ou embevecido, mas era tão autoconfiante que não deixou transparecer nada que não fossem galantes elogios à aparência dela. Elogios q ela relutava em acatar e, ainda ssim, ele insistia em proferir.
Risos...muitos risos foram soltos no ar. Risos de um colorido realmente primaveril. Eles haviam se encontrado na estação certa, pelo visto.
De repente, o que era pra ser um encontro de estréia, talvez rápido e superficial, parecia um encontro de velhos conhecidos, com um quê de romance no ar... pareciam já se conhecer há tempos, tinham muitas afinidades e a melhor delas é que não se furtavam de falar de coisas profundas e interessantes ; coisas da vida... Empatia de estranhos conhecidos.
Serem conscientes da sua condição humana, seus limites, seus dilemas e suas buscas os aproximou de uma maneira difícil de acontecer em tempos de amizades eventuais e sexo casual.
Ali, naquela mesma, naquele café, abriu-se um portal no tempo X espaço e eles divagaram, riram, confessaram e conversaram sem ver o tempo passar.
Não havia estranheza ou silêncios cortantes, havia afinidade, interação e um quase-flerte.
Pra confirmar que não foi misancene, nem sorte de principiantes, e que havia uma energia, uma química muito forte, naqules instantes, eles se encontraram de novo e se falaram muitas outras vezes.
Foi então que num  desses encontros, depois de muito falarem, rirem e divagarem, já sem o receio de precipitar o toque e sob clima de romance no ar...aconteceu um beijo.
Naquela madrugada de um domingo de lua crescente, um beijo transformou um segundo em vários minutos, onde mais nada existia a não ser eles dois, ali, na rua, naquele abraço, naquele inevitável laço que por algum tempo os unia desconcertantemente.

Não sabiam até onde seguiriam, mas sabiam que aquele beijo, intenso, entregue e demorado foi inevitável... foi romance e luxúria; uma explosão de sentimentos confusos que não lhes parecia fazer falta, mas de repente pareciam tão urgentes.

Sorria vc está na Bahia!

Isso aí é um fim de tarde na minha cidade...coisa linda de se testemunhar...e olha q não era dia ensolarado...

Inquietude, Intuição x Fatos

Se minha intuição não encontra respaldo em fatos, fica difícil pra mim confiar nela...
Meu Deus, como fica mais difícil tolerar e confiar ao longo dos anos...os medos, as experiências nos tornam tão reticentes, cautelosos, alguns até discrentes...
Tento acalmar meus ímpetos institivos, racionalizar, mas não tolero bem não ter meus sentimentos e sensibilidade levados a sério.
Não quero tratores emocionais alimentados pelo egoísmos ou egocentrismo na minha vida. QUERO GENTE !!  mas a  cada dia descubro que não estou disposta a pagar qualquer preço.
Uma noite de insônia às vezes nos ensina muito sobre nós mesmos. Uma noite de insônia na solidão quase nos força a aprender. Se alguns pensam nos debates, é no silência que reflito e aprendo com eles. Durante eu ouço, rebato, interajo...na solidão minha mente inquieta não pára...
Estou sim com dificuldade de confiar, de apostar...não sei bem como lidar com isso porque não acho mais que seja um defeito, mas uma proteção e é aí que mora o perigo de me render à solidão...

Nova onda feminina na MPB - tô curtindo

Caetano falou dela há mais de um ano, mas agora Maria Gadu tá bombando por aí, incluisve no meu Ipod e som do carro.
Uma das preferidas é Encontro, mas adoro tb Shimbalaiê...

Outra que vai bombar a qualquer hora e eu adoro ouvir desde que vi no prêmio Multishow é Ana Cañas.

E por fim, estão na área Céu, Roberta Sá e um tanto de vozes lindas e letras eloquentes dando um refresh na MPB nacional e deixoando uma diversidade interessante.

12 de outubro de 2009

Tesão do momento...

Tudo bem, estou longe de ser a única que pensa em Gerard Butler como tesão do momento, mas o cara merece...ô figura imperfeita, mas sexy, meu pai do céu !!!



8 de outubro de 2009

TWITTER

É, como adoro a internet desde que ela entrou na minha vida, gosto muito tb das novidades e malguns modismos que surgem por aqui, sobretudo os que viabilizam difundir idéias.

De tudo que já surgiu, confesso que o Twitter é a coisinha mais inquietantemente confusa e esquisita !! Mesmo assim aderi.

Parece que a gente tá falando sozinho e é pior que no blog pq aqui tenho a sensação de escrever para ninguém ler, mas não de estar falando sozinha.

Apesar disso, num mundo onde temos cada vez menos pessoas dispostas a escutar, acho válido usar o espaço de 140 caracteres pra gritar alguma coisa no vento...vai que ele traz alguma coisa na volta ?? risos

O fato é que tneho feito do Twitter uma espécie d ecaderninho de insights, idéias e frases coletadas na net. E claro: de reclamações sucintas e pensamentos que ninguém deve entender...

"Tudo vale a pena se a alma não é pequena !!"

Música - Me Adora - PItty

Me Adora - Pitty

Tantas decepções eu já vivi
Aquela foi de longe a mais cruel
Um silêncio profundo e declarei:
“Só não desonre o meu nome”

Você que nem me ouve até o fim
Injustamente julga por prazer
Cuidado quando for falar de mim
E não desonre o meu nome

Será que eu já posso enlouquecer?
Ou devo apenas sorrir?
Não sei mais o que eu tenho que fazer
Pra você admitir


Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber




Perceba que não tem como saber
São só os seus palpites na sua mão
Sou mais do que o seu olho pode ver
Então não desonre o meu nome


Não importa se eu não sou o que você quer
Não é minha culpa a sua projeção
Aceito a apatia, se vier
Mas não desonre o meu nome


Será que eu já posso enlouquecer?
Ou devo apenas sorrir?
Não sei mais o que eu tenho que fazer
Pra você admitir


Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber

**viajo no refrão...risos. * recomendo cantar alto dentro do carro!!

7 de outubro de 2009

5 de outubro de 2009

Profile...

Atualmente, meu lema é: se não pode dizer algo bom a alguém, não diga nada, mas se tiver algo bom a dizer: diga já!


Com o tempo e as experiências, Com o tempo e as experiências, percebi que QUASE tudo passa rápido demais, sobretudo o que é bom, por isso aproveitar é uma arte. Há três aprendizados que tornam a vida mais fácil: Saber APROVEITAR os fatos e situações; saber IGNORAR alguns fatos e situações e, por fim, saber SUPERAR. Qualquer dessas três habilidades é uma benção, um dom. Possui as três juntas é um sonho, uma arma e um presente.

Se vai tentar me descobrir, não se apegue a definições e procure não me aprisionar em rótulos ou estereótipos - isso é tudo que não sou e tudo que não és. Sejamos livres, curiosos, criativos e inspirados, assim talvez venhamos a descobrir mais um do outro.

Afinal, cada ser humano é um universo de pensamentos e sentimentos, insuscetível de definição absoluta.

Eu sou aquela que vai a Igreja, lê o Livro dos Espíritos seguido de uma ave maria e um pai nosso e de vez em quando toma um banho de folha: sou filha da Bahia, neta e bisneta de rezadeiras e o sincretismo está em mim.

Eu sou aquela que mergulha fundo nas paixões, chora soluçando e ri como criança ; aquela que tem fases ; aquela que teme envelhecer e teme a solidão, mas não tem medo da morte; aquela que evita ao máximo os preconceitos e os teme tb (tanto de ser vítima quanto de ser algoz).

Sou alguém que ama e se interessa pelo ser humano; que tenta chegar sempre mais perto das pessoas; alguém que já não se entrega fácil, mas facilmente é chamada de amiga e sente saudades de ser chamada de meu amor.
Eu sou aquela que se estuda, se critica e tenta melhorar pra ser mais feliz. Não almejo ser melhor do que ninguém ou melhor para alguém, mas SER MELHOR E MAIS APTA A VIVER BEM E CHEGAR MAIS PERTO DA FELICIDADE !!

3 de outubro de 2009

Limites de nós - como saber ?

Tão difícil saber os limites da própria alma. É um constante empirismo com as emoções, que várias vezes custa um "pedaço da nossa carne", muitas lágrimas e alguma dor.
Estou num impasse. Cheguei a uma bifurcação no meu caminho: a razão e o bom senso me dizem que não há o que apostar, enm há uma plausibilidade na idéia de êxito ao final; as emoções , despertadas depois de longo tempo em "morte presumida", gostariam de ter fôlego para garantir a aposta, mas perderam crédito de tanto que me fizeram quebrar a cara.

2 de outubro de 2009

Um amigo estreou no teatro - foi sucesso!!

Fui ontem assistir meu amigo Marcelo Timbó na pré-estréia de Os Cafajestes, aqui em SSA.
Confesso, estava ansiosa e curiosa.
E o melhor de tudo é dizer que cheguei ao fim da peça extasiada e orgulhosa do meu amigo e admirando tb os seus companheiros de elenco.
Eles pegaram o touro à unha e encararam a remontagem de um texto que fez sucesso na Bahia e no Brasil e fizeram MUITO BEM !!! Improvisos, piadas atualizadas...muitas risadas é oq ue a peça valeu.

TIMBÓ canta, dança, rebola, faz caras e bocas inusitadas e inesperadas, é alvo da maioria dos improvisos e, claro, é alvo de muito assovio e gritinhos da platéia. Impagável imitando mulheres e maravilhoso dançando e cantando um xote !!! Ah e sexy demais qdo entra pra cantar uma musica romântica de graves prolongados (acho que é de Julio Iglesias).

Rafael Medrado é perfeito no papel q era de Fábio Lago (Fabiano da novela das 19h), aliás, ele é um profissional q estava escondido por aí...o cara é tão versátil que parece louco. Dou risada só de lembrar.

Fechine é um Fechine melhorado. E ele é engraçado por si só.

Daniel Rabelo é uma graça, tem um sorriso lindo, dança bem, canta bem, tem charme, e carisma.

Acho que assisti a 2a. apresentaçao oficial e, claro, algumas marcações e coreografia devem se aprimorar com a prática, mas em nada comprometeu o sucesso do espetáculo. FORAM APLAUDIDOS DE PÉ ao final, aplaudidos a cada número musical, acompanhados de respostas do público o tempo todo.

Fernando Guerreiro arrasou na renovação da peça e escolha dos artistas !! Toque de Midas e olhos de Lince !!

Espetáculo divertido para qualquer pessoa. Vale muito a pena !!!
E claro, por ser amiga , fiquei toda boba e orgulhosa e recomendo a todos irem. Eu irei de novo !!!

PARABENS, TIMBO PELA NOVA EMPREITADA - JA DEU CERTO !!!!

28 de setembro de 2009

"Amantes" (filme)

Ontem assisti ao filme "Amantes", que, ressalvado algum engano, tem como título original "Two Lovers".
Eu havia lido a sinopse e, talvez por isso, me decepcionei, apesar das atuações razoáveis de Joaquim Phoenix e Isabella Rosselini (que pode até ter a idade, mas não tem a aparência para ser a mãe do personagem principal).

A sinopse dizia tratar-se de um filme sobre um homem em dúvida pq se apaixona, ao mesmo tempo, por uma mulher apresentada por seus pais e uma vizinha misteriosa.Não há esse tipo de dúvida no filme !!

Na verdade, o filme é sobre um bipolar com tendência suicida que s envolve com duas mulheres, mas se apaixona apenas por uma delas. E o alvo de sua paixão é amante de um homem casado.
Não vou dizer como desenrola o filme, mas a sinopse é MUITO equivocada.
A bipolaridade ou as tendências suicidas do personagem são temas secundários que se fazem presnetes apenas pelas preocupações e vigilância da mãe, sempre com medo de que o filho volte a tentar - Rosselini cumpre bem o papel.

O filme fala de escolher e ser escolhido e dos riscos de ser o amante ou a amante. O personagem de Phoenix torna-se amante e tem uma amante. A personagem de Gwyneth Paltrow não tem muito de misterioso pq seu suposto mistério é fácild e deuzir na 2ª. cena em que ela aparece.

O que é melhor ? Escolher ou ser escolhido ?

Ser aquele que alguém escolheu e ser amada por esse alguém ? Ou escolher - ser aquele que ama?

Mesmo que essas escolhas de que falo não sejam voluntárias, existem. Em um par, um escolheu aproximar-se. Um escolheu conquistar. O outro adere ou não á escolha e aí sim realiza uma nova escolha: ser objeto desse amor e deixar-se amar ou recusar e seguir a vida.
Aceitar a escolha de alguém, aderir á uma proposta e apostar é também uma escolha, claro, mas é diferente.

A resposta a essa questão varia ao longo da vida. Depende do momento. Todavia, nem todos têm a oportunidade de viver ambas situações. Alguns nunca escolheram, outros não sabem o que é ser escolhido.

Escolher é mais arriscado, mais desafiador, mais ativo.
Ser escolhido parece mais fácil, mais seguro, há menos risco de rejeição.


Qual a sua opção neste momento ?

22 de setembro de 2009

Frases by Bailinho













Essas fotos foram postadas no blog do bailinho - a festa comandada por Rodrigo Pena que abala onde chega.

Resolvi colocar aqui porque as frases são sensacionais...rs. Lá vai !!

Minha cidade é linda demais...


Claro, tem outros lugares lindos no Brasil e no mundo, mas Salvador é linda, é solar e é alegre.

E se tem dúvidas, repare na foto de Nilton Souza...vc há de concordar comigo, com Nizan Guanaes e com Carlinhos Brown: "minha cidade é linda demais...".
E então ??

20 de setembro de 2009

O QUE AS PESSOAS TÊM DE VOCÊ ?? ( ao som de "Meu sonho"- Paralamas)

Tem uma frase de alguém notável que diz: "cada um tem de mim exatamente aquilo que cativou !". Isso me soa sensato, equilibrado, inteligente, saudável, exato. Apesar disso, não sou assim.


Se essa frase fosse minha, seria algo como cada um tem de mim o que tenho para dar; o que em mim desperta. E nessa medida, muitas vezes desmedida, dou mais do que recebo, até mais do que foi pretendido por quem recebe.(Em algumas raras ocasiões acontece de dar menos, tb.). É burro, insensato, complicado, mas é generoso. Meu coração é burramente generoso.
Na verdade, não conheço bem os meio-termos. Conheço o despertar de sentimentos que me levam a ser 100%... 100% amiga, 100% amante, 100% tia, 100% cúmplice !! Não um 100 absoluto, mas o meu 100%.
E com o tempo, decepções, freios, travas, ajustes, frustrações ou de acordo com o mentos, esse porcentual muda. Meu coração se fecha, retrai...mas sempre fico triste quando isso acontece. Gosto de estar a 100% pro lado positivo em relação a alguém.
Até prova em contrário, procuro doar o que tenho de melhor, o que tiver à disposição.


Generosidade neste sentido não quer dizer cegueira. Enxergo os tropeços, riscos e até exageros do meu coração, mas fazer o que ? Primeiro precisei parar de me recriminar por ser assim. Parei de me achar idiota apenas porque não recebia o mesmo que dava. Precisei aprender a me respeitar, a admirar essa minha capacidade. Porque muitas vezes me magoei, preciso buscar o equilíbrio, aprender com a vida e tentar me adaptar às situações à medida em que surgem, mas não posso me violentar, me forçar a ser diferente. A vida mostra o caminho do equilíbrio, muitas vezes pelas decepções.


É nessa parte que entra outra máxima de algum notável da física (salvo, engano: Newton), que neste caso eu aplico pela metade: "a toda ação corresponde uma reação." (a intensidade e o sentido variam, pois os seres humanos são quase insucestíveis de enquadramento.)


A TODOS QUE AINDA GUARDAM EM SI GENEROSIDADE E CAPACIDADE PARA SE DOAREM ANTES DE RECEBER ALGO, EU DESEJO DO FUNDO DO CORAÇÃO: fé, esperança, coragem e sorte !!!

15 de setembro de 2009

Encantada não, porque encanto passa.

Pra que ser príncipe ou princesa encantada ?? Na verdade, a era de ouro de reinados e principados já passou faz tempo. No mais, é melhor ser encantador ou encantadora do que encantada.

Pensando bem, se um alguém é encantador e encanta, haverá do outro lado alguém encantado. Mas essa "encantado" é diferente, esse a gente aceita...risos

Bom mesmo, é ser "normal" e ser interessante !! Sem precisar criar uma névoa de encantamento ao redor ou criar estratégias para despertar interesse no outro. Simplesmente ser.



Michaelis
encantado
• adj (part de encantar)
Vítima de encantamento.
Enlevado, muito satisfeito.


Michaelis
encantador
• adj (encantar+dor2) Que encanta; be­lís­simo, esplêndido. sm
Aquele que faz encan­tamen­tos; mágico.
Aquele ou aquilo que encanta ou seduz.

Uma vitória contra o preconceito.

Grã-Bretanha: guarda de penitenciária afastada por ter sido considerada muito "sexy" ganhou indenização na justiça. veja em http://ultimosegundo.ig.com.br/bbc/2009/09/15/ex+guarda+de+prisao+perseguida+por+ser+sexy+ganha+processo+na+justica+britanica+8445912.html

DICA


Se vc é de SSA , dê uma olhadinha no site da loja de acessórios Mais Bonita http://www.soumaisbonita.blogspot.com/

Uma perdição...

No promises

Não te prometo nada a não ser o que sou, ser eu mesma.
Não posso prometer o que sei que em mim passa, volta, passa.
Não sou princesa, não tenho sapatinho de cristal e se vc o tiver certamente meu pé não encaixa: tenho número especial.
Não estou sob feitiço algum, mas posso gostar de receber um beijo encantador.
Veja bem: encantador, não encantado...porque encantos passam mas se você for encantador, isso vai longe...
Não tenho manual e não espero que você tenha;
Manuais são para coisas e pessoas tediosas e você eu não parecemos ser dessas pessoas.
Não te prometo nada,
Mas gostaria que você ficasse por perto pra ver o que virá.

13 de setembro de 2009

EU NÃO CONSIGO ENTENDER...um monte de coisas.

NÃO CONSIGO ENTENDER (quem puder me explique):

- pq os homens preferem uma mulher com uma bunda boa a uma mulher boa ;
- porque as pessoas se ligam em fatores superficiais e levam tanto tempo sem valorizarem o que realmente importa;
- porque algumas pessoas têm filhos e são notoriamente desinteressadas por eles;
- porque algumas pessoas querem tanto um filho e não conseguem tê-lo;
- porque casamentos emocionalmente falidos, sádicos ou mantidos à base de traição e mentira se mantém ;
- porque os homens casados traem sem sequer cogitarem a idéia de separar-se;
- porque é tão difícil ser feliz quando se foge aos padrões de beleza, sucesso, comportamento;
- porque algumas pessoas querem apenas receber sem nunca dar ou se darem;
- porque pessoas boas sofrem;
- porque crianças morrem ;
- porque há pessoas que nunca encontram o amor ;
- porque há pessoas que não sabem dar chance ao amor...

E POR AÍ VAI.

20 de julho de 2009

Maquiavel foi quem disse...

"Ëu certamente acho que é melhor ser impetuoso do que prudente, pois a sorte é uma mulher e é preciso conquistá-la pela força...e é visível que ela se deixa dominar pelo ousado de preferência ao que age friamente. E portanto, como uma mulher, ela é sempre amiga dos jovens, pois são menos cuatelosos, mais ferozes e a dominam com mais audácia."
Nicolau Maquiavel (1469-1527).
*********************************************************************************



É pra pensar: será que a sorte é uma mulher? Pela imprevisibilidade e pro ser voluntariosa, acho que sim, fosse o caso de pertencer a algum gênero.


Não sei se as mulheres preferem os jovens, genericamente falando, mas acredito que preferem sim os impetuosos, mesmo que acabem suas vidas com os calmos e cautelosos.


Se a sorte é mulher, o ímpeto é masculino, mesmo que se disfarce nos sinônimos audácia e impetuosidade.

Um homem atrevido é alvo certo do tesão feminino. Talvez porque a cultura machista tenha ensinado que o atrevimento e a audácia no homem são qualidades e nas mulheres falta do recato necessário.


Infelizmente, o homem atrevido é ambiguo: é assim conosco e com outras, muito provavelmente, e por isso nem sempre se mantém na vida de uma mulher. Raro encontrar um audacioso fiel.


Fácil se deixar atrair pelo fascínio que este tipo de homem exerce; exala masculinidade, firmeza, pegada. Olha e despe; toca e arrepia; fala e entorpece. A mulher diz não e o corpo não obedece e o audaz sente, percebe, como se farejasse feromônios e não perfume.


Difícil um audaz romântico, mas é esse tipo raro que nos faz sentir verdadeiras princesas, únicas, divas. E se esse romântico impetuoso te ama, então você chega a se perguntaro que fez para merecer tamanha benção...


Nem todas têm essa sorte numa vida, mas não desista nos meros mortais, eles também têm seus encantos e muitos. E se ele der espaço ao seu atrevimento, sem agonia ou insegurança, esse homem é o mais ousado de todos: o que não tem medo de ser o homem de uma mulher ousada !!

9 de julho de 2009

O tempo passa...

... e o que antes era sinal de rebeldia contra o conservadorismo e o machismo já não faz mais sentido. Ou porque o tempo nos transforma em conservadores ou porque descobrimos que não vamos mudar o mundo expondo a nós mesmos. O melhor sinal de rebeldia é ser original e autêntico nesse mundo onde se vende estereótipos, mesmo que isso custe algum esforço.
Sabe por que? Porque quem não é igual a todo mundo, nunca vai alcançar a satisfação seguindo o caminho já percorrido pelos demais ou atingindo metas pré-estabelecidas.
Com o tempo descobri que é possível fugir do estereótipo sem cair em nenhum deles. Atenção: eu disse que é possível, não que é fácil !!
Preserve-se !!

Selton Melo: recomendo ler

http://bravonline.abril.uol.com.br/conteudo/cinema/cuidei-melhor-personagens-mim-480680.shtml
No link vc vai direto para a enrtevista do Selton Mello à revista Bravo. Sensacional o artista e a originalidade das respostas, bem fora da mesmice que as celebridades trazem em seus repertórios. Ele não traz um script, ele fala !!

23 de junho de 2009

SE NÃO QUER FAZER MAL, NÃO FAÇA !

É simples assim. Se você não quer fazer mal para alguém, não faça. Há sempre uma opção entre vários caminhos; árias formas de se atingir um fim.
Muitas vezes alguém age de um modo que nos magoa ou humilha ou maltrata. Nessas horas dois pensamentos surgem: por que esse alguém nos fez mal? por que dei a esse alguém o poder de me fazer mal ?
Sim, a maior parte do tempo temos responsabilidade pelo mal que nos atinge. Damos a uma pessoa o poder ou a oportunidade de nos partir o coração, nos ferir o amor próprio ou algo parecido.
Contudo, também é verdade que há várias formas de se escolher um caminho, de agir com o outro. Fazer mal a alguém é também uma escolha. É possível ser feliz sem fazer mal a ninguém e sem ferir quem nos ama.
Se alguém nos ama, não é preciso tirar proveito desse sentimento de uma maneira que machuque quem ama. Se não amamos, não precisamos maltratar quem nos tem amor. Tirar proveito ou ser oportunista com quem nos ama é uma forma de fazer mal a esse alguém.
É mais digno dizer que não ama ou que não quer uma relação, tentar manter o respeto, a amizade e até a admiração daquela pessoa, que uma hora vai se cansar ous e conformar e seguirá adiante.
As pessoas vivem usando a verdade para tirar proveito das situações sem abalarem a própria consciência ou o conceito que têm de si mesmas. "Eu não quero nada sério, vc sabe, mas não resisto a você" ** "Não estou pronto para uma relação e vc sabia."
Se não está pronto para um relacionamento, não dê falsas esperanças. Procure alguém que, como você, também quer uma ventura.


A RECIPROCIDADE É O MELHOR CAMINHO PARA UMA BOA RELAÇÃO, DE QUALQUER NATUREZA.


SE NÃO QUER FAZER MAL A ALGUÉM, SIMPLESMENTE NÃO FAÇA. AJA COM DIGNIDADE.
Amanhã pode ser você !!

10 de junho de 2009

Direto do blog do "Bailinho"

Andei pelo blog do Bailinho, festinha hype que rola no Rio (projeto de Rodrigo Pena) e por lá achei umas frases/imagens bem legais e quis divulgar aqui... lá vai:




BACANA,NÃO ? Pena que festinhas assim difilcilmente ocorrem por aqui... Por aqui só as manjadíssimas de sempre...

4 de junho de 2009

Dias dos namorados - terror dos solteiros ?

!2 de junho. Dia oficial de terrorismo aos solteiros, que costuma vitimar mais mulheres que homens (ao menos é o q números oficiais revelam, mas quem é consultado nessas pesquisas ?!).
Ainda é maio quando o burburinho começa ao redor do tema e começam a surgir enormes corações intensamente vermelhos por todos os cantos, outdoors, vitrines e filmes comerciais. É o mês das promoções apenas para "dois". Pacotes turísiticos, jantares, shows românticos...até Corpus Christi teve sua importãncia roubada porque esse ano é feriado dos namorados.
E você, solteira(o), avulso, single, unitário fica a pensar que deve ser o único ser sozinho nesta data, que não vai jantar à luz de velas no dia 12 9com um serviço geralmente piorado pela demanda), nem receber flores ou presente, ou ter a chance de expressar toda a sua criatividade amorosa num cartão. PARE !! Você não está sozinho(a) nessa, mesmo que decida passar esse dia sozinho(a). São milhoes iguais a você por todo o país (sem falar no mundo).
E mais: dia 12 é dia de terror também para os casais em crise e os casais acomodados-sem-amor, que neste dia se sentem forçados a dar uma trégua na briga ou na quase-indiferença para comemorar... o que mesmo vão comemorar ? a falta de cumplicidade, a incerteza diante daquele sentimento, o fato d enão estarem felizes, mas continuarem juntos ?
Não, 12 de junho não é um dia apenas de corações vermelhos e apaixonados. É um dia como outro qualquer, onde há no mundo casais felizes, casais infelizes e pessoas que não integram um casal. Há os namorados, os namoráveis e os que se fecharam para namoros. E no dia seguinte "tudo como antes no quartel de Abrantes!".
Por outro lado, dia 12 de junho pode ser o dia da paquera sob estímulo subliminar. É tanto vermelho e tantas fotos de casais felizes espalhadas pela cidade, que o feng shui teria grande facilidade para confirmar a minha "tese" de que essa é a noite certa para sair e paquerar, se arriscar a encontrar um namorado ou simplesmente alguém agradável num dia de paquera mais interessante.
Talvez algumas pessoas pensem o mesmo e dêem de presente a si mesmas neste dia uma ótima noite.

20 de maio de 2009

Elas & Eles

(...) alguns casos parecem estar sempre recomeçando, sem nunca chegarem a lugar nenhum.
Há tempos ela não sabia o que fazer com o que sentia por esse homem "tão errado para ela". Não era mais paixão (já tinha sido), nunca foi amor e provavelmente não chegaria a ser uma amizade simplesmente. Era tesão, muito. Interesse e fascínio pelo lado mais egoísta dele. Logo ela, que queria um homem generoso e cúmplice... A descrença nela e no que ela queria sempre acabava levando essa mulher a procurar por esse homem tão diferente de tudo que ela havia tido ou sonhado.
Ela nem sabia dizer se ele era melhor ou pior, se limitava a dizer que ele era diferente. Ele tinha algo do homem que ela gostaria de ser, se fosse homem. Eu disse algo.
Em muitas coisas eles eram opostos.
Esse homem que gostava de se ver através dos olhos dela e como Narciso regozijar-se no próprio ego. Pode parecer péssimo (e ás vezes era), mas ela e suas fantasias loucas achavam algum tesão nisso: ele a dominava. De alguma maneira quase sórdida, ele a dominava. Por pouco tempo, mas intensamente forte.
(continua)

Desesperança (?)

Tem épocas em que o ser humano é atingido pela desesperança; se des-espera. Deixa de esperar mesmo !! E isso gera desespero.

O outono, não raro, faz isso comigo. A chuva, quando não é um convite ao amor e á luxúria, é um convite à reflexão. na minha solteirice, é reflexiva que me encontro.

Para quem pensa demais em tudo - favor não confundir com racionalidade ou cautela - fases reflexivas são o exagero dessa característica, sujeito a pancadas de culpa e lamentações.

Eu insisto e não desisto de tentar mudar o que não funciona em mim. Acredito nos que dizem que a única coisa certa e permanente é a mudança.

Não posso mudar o mundo, mas posso mudar a minha maneira de me relacionar com ele. Essa é a meta. Aviso quando chegar mais perto...

Aliás, quem falou mesmo em desesperança ??!!!

Novo endereço


http://solteirasolteiro.blogspot.com

Achei esse dominio mais simpático do que o msp30.
O que acharam ?

8 de maio de 2009

DIA DAS MÃES !!

"Ser mãe não é uma profissão; não é nem mesmo um dever: é apenas um direito entre tantos outros."
Fonte: "Lettera a un bambino mai nato" - Autora: Fallaci , Oriana


DESDE MUITO CEDO A MATERNIDADE ME ENCANTA. Eu já era "mãe das minhas bonecas" (como a maioria das meninas) e já sonhava em ser mãe de verdade. E não só a maternidade, mas também a gravidez me encantava. Minha Barbie ficava grávida antes de ter algum filho que inusitadamente não parecia com ela (eu improvisava sim, porque naquele tempo não existia a Barbie grávida, nem a filha da Barbie).
E não era só isso. Eu gostava de cuidar de bebês e crianças pequenas ao vivo tb. Tive um amor bem maternal por meu irmão, quando éramos pequenos. Depois foi a vez de ajudar a cuidar de alguma vizinha.
Meus primos são todos bem mais novos e minha única tia teve filhos depois de ajudar com os sobrinhos, então a cada criança que nascia na minha família, eu "brincava" de babá. Eu gostava de ver a barriga crescer, ver o ultrasson, aprender a trocar, nem cocô, nem baba, nem gofada...nada disso me desanimava. Só me assustava o medo com a "moleira" dos bebês. E minha tia me deixava xeretar tudo, me ensinava a botar a fralda...


Talvez meu instinto maternal seja bem á moda antiga: inato. Mas sei que minha admiração por minha mãe e minha tia e o modo como fui bem cuidada por elas e minha avó tem muita influência nessa minha vontade de ser mãe.
Desde muito cedo eu sabia que queria ser mãe. Só não sabia quando isso iria passar de um sonho distante a um desejo real e depois uma meta.


Na minha adolescência não alimentei o sonho de ser a noiva ou esposa. Casamentos não me enchiam os olhos e pra ser sincera só pensei efetivamente nisso quando fiquei noiva (mas não casei). E também aí eu já queria ser mãe.


Um dos dias mais tristes da minha vida foi quandoa cordei decidida a desistir da maternidade porque não conseguia enxergar a vida como algo bom. Em meio a uma depressão, parecia que o maior ato de amor por um filho que eu ainda não tinha seria justamente não tê-lo nunca, para nunca vê-lo sofrer pelas coisas da vida. Graças a Deus esse pensamento se foi.


Eu já tinha idade pra ser mãe, mas não tinha ainda pespectiva disso, quando a vida me fez "tia" de uma menina linda, de quem já falei aqui. E a vida me fez tia quando me deu a chance de ser a 1a. a acompanhar oi ultrasson de sua mãe, uma amiga mais que querida. Acompanhei à distância o restante da gravidez e me emocionei com cada mudança.
A princesinha nasceu e a cada mês de vida eu sentia a mesma emoção da notícia de seu nascimento. Era sábado, chovia e eu tinha 27 quando a vi pela primeira vez E foi ao vê-la que eu senti o quanto eu queria ser mãe. Espero que a mãe dela conte comigo para fazer qualquer coisa por ela.
Ainda hoje, reafirmo meu desejo a cada vez que a vejo, abraço, beijo e brinco.
Depois dela, fiquei feliz com o nascimento das filhas de outras amigas e amigos, mas nunca igual.


Hoje, confesso que tenho medo de não ser mãe (mais do que o de ser). Acho natural, afinal tenho 31, estou solteira e tenho dúvidas sobre uma produção independente. Dentro de mim mora a certeza de que isso é algo que eu quero mais do que tudo na vida. Essa é minha única certeza e grande motivação para meus projetos. Queria que fosse um direito mesmo e mais fácil de exercer, mas SER MÃE É UMA BENÇÃO e eu torço para ser agraciada.


Fica aqui registrado o meu desejo de que minhas amigas e suas mães, minha tia, minha avó e minha mãe tenham um FELIZ DIA DAS MÃES !!

29 de abril de 2009

PERNIL INFLAMADO



Eu sabia que mais cedo ou mais tarde isso ia acabar acontecendo. Haveria de chegar o dia em que os porcos iriam cansar de serem sempre a lama, o sujo, o bacon e, na pior das hipóteses, a metáfora para homens de pouco caráter.



Nenhum ser vivo consegue chafurdar em paz por tanto tempo, sendo comparado o tempo todo com pessoas sem higiene, conquistadores cafajestes, e principalmente, congressistas brasileiros. Talvez tenha sido esse o golpe de misericórdia. Afinal, porco nenhum no mundo legisla em causa própria, cria CPIs de faz-de-conta ou leva a sogra pros EUA com o dinheiro dos outros. É lama demais para o caminhãozinho deles.



O resultado está aí. Os porcos resolveram se vingar e como não possuem armas à laser ou advogados, apelaram para a menor e mais letal forma de destruição do planeta: um vírus. E da gripe. Com isso, os suínos criaram um pandemônio, que já, já passa em um cartório qualquer e muda o nome para pandemia.



Agora o homem que se resolva. Que crie anti-corpos, ou anti-porcos, para salvar a sua pele e aprender de uma vez por todas que a porca torce o rabo exatamente para a nossa presença e presunção. Aliás, existe um ditado que toda vovó-porco ensina, com razão, aos seus netos-porquinhos:



Onde os homens se misturam, o farelo some.

21 de abril de 2009

Ele não estava TÃO afim dela

...e depois dos 30 ela já sabia que isso não a levaria muito longe, até porque percebeu cedo que tb não estava tão afim dele a ponto de esperar o que poderia acontecer se ela suportasse aquele período sem gosto e sem inspiração.

Então, para o bem de ambos, eles terminaram o que mal havia começado, sem saber o que perderam, mas ganharam tempo para ter ou ser o que queriam.

Há um tempo para tudo debaixo dos céus, diz a Bíblia. Então, tomara que chegue logo o tempo deles serem felizes no amor, pois cada um precisava disso (todos precisam) para voltar a acreditar em felicidade de mãos dadas, pôr-do-sol com gosto de beijo e gozo com amor, simples assim, sem precisar de elocu brações e teses, pois o amor quando está prestes a chegar já começa desligando o botão da razão e pisando leve e manso...

MORTE - alerta de vida

Quem tem medo de morrer ?


Nunca tive medo da minha morte. Talvez por ter enfrentado uma depressão ansiosa. Nunca tive medo mesmo. Descobri cedo que a vida pode ser mortificante...e que tudo depende de como se vive. "É preciso saber viver."


A vida sempre me pareceu mais assustadora, desafiadora e maior que a morte. Era assim em criança, continuou assim na juventude e é assim agora, no início da maturidade.


Para confirmar essa minha "tese" li um texto de Zíbia Gasparetto, escritora espírita e médium (para quem não sabe), onde ela narrava o 'encontro' com um espírito há muito desencarnado que estava prestes a reencarnar e estava completamente apavorado.


Se existe essa história de desencarnar e reencarnar, deve ser amedrontador mesmo voltar a este mundo onde estamos.


O que sempre me assustou foi a idéia da morte de pessoas queridas e isso ainda me assusta muito. Perder alguém querido remete de alguma forma a meu medo da solidão e é meu pior pesadelo.


No fundo, o maior efeito da morte, além da saudade, é provocar o questionameno da vida. A morte de alguém e a dor dos que ficam me faz pensar no que eu estou fazendo da minha vida, no que ainda é possível fazer dela e no quanto são insignificantes alguns sentimentos que nosso ego engrandece e alimenta.


Essa semana, a dor d eum amigo me fez dolorida. A impotência diante da razão do sofrimento dele me deu um certo desespero, angústia...de repente, queria que ele fosse uma criança e que ao colocaá-lo no colo e vê-lo adormecer eu tivesse a nítida impressão de ter calado o que lhe trazia lágrimas. É tão difícil ver alguém que se ama sofrer... mais ainda quando nos deixamos inundar pela dor do próximo. Quis colocar esse meu amigo de 31 anos no meu colo e cuidar como se fosse uma criança ou um pássaro de asas feridas. Num abraço, quis calar a dor do luto dele. Essa dor seca e corrosiva que marca a nossa alma, de maneira boa ou má.


Não pude. E me dei conta de que o amor tem limites, assim como a vida.


Essa semana, me dei conta de que a vida pode ser mais leve e que nossa grande missão é torná-la mais fácil e mais simples de viver, mesmo que o nosso ego teime em dramatizar tanto o que nos acontece.

14 de abril de 2009

Pensamentos soltos I

Os homens se excitam com a concorrência.

Antes, diziam que isso é coisa de mulher, mas mulher sempre se acha sujeita a concorrência agressiva e desleal, então costuma estar sempre atenta ou esperta. Até por isso, o ciúme é tido como mais comum nas mulheres.
Quanto aos homens, esses só tomam consciência de que estão também sujeitos à concorrência quando ela se torna mais real...e isso os excita ou corrói. Até por isso, o ciúme é mais violento nos homens.
Pena que só dêem mais valor quando estão prestes a perder. E estejam perdendo o juízo quando perdem a mulher !

Absolutamente INESQUECÍVEL


Quem esquece ???

** Manias **

Não adianta. A idade vem acompanhada de manias. Mania de mascar chiclete, mania de tomar vitaminas, mania de dormir tarde com a tv ligada, mania de acordar cedo, mania de escrever sozinha, mania de ficar só, mania de se manter acompanhada... manias !
E o que são manias ?

Dentre as várias definições do dicionário Houaiss as que melhor se aplicam ao tema diz:
Mania. • substantivo feminino; hábito extravagante; prática repetitiva; costume esquisito, peculiar; excentricidade / fixação repetida /alvo desse gosto ou fixação / costume nocivo, prejudicial; vício.

Já o Michaelis diz o seguinte:
Desordem mental caracterizada por grande atividade psicomotora, excitação, exaltação e instabilidade da atenção / Modo excêntrico de pensar /Extravagância /Esquisitice, excentricidade / Mau costume /Desejo imoderado e caracterizado por teimosia / O alvo desse desejo.

Se nem mesmo os dicionários são plenamente concordantes, não terei a arrogãncia de querer sê-lo, mas vou tentar falar a respeito.

Manias, sob meu ponto de vista, são hábitos repetitivos que incorporamos ao nosso comportamento ou modo de pensar ao longo dos anos e vivência.

Essas manias, quando nos relacionamos com outras pessoas, podem ser algo determinante sobre a permanência do outro em nossas vidas (e nós na dele), assim como, algumas vezes, influenciam a escolha de pessoas das quais nos aproximamos.

Acredito que se levamos nossas manias muito a sério, como se fossem princípios e valores (que não são) acabamos por limitar a possibilidade de interargir com o mundo e com as pessoas.

E se esse "levar a sério" se torna exagerado, a mania pode ser considerada um vício nocivo, um transtorno obssessivo-compulsivo (eu acho) e pode necessitar de intervenção terapêutica para não virar doença ou trazer problemas mais graves.

Manias são um entrave ou um laço no início de uma relação a dois. Se coincidem ou encaixam, aproximam. Se divergem, atrapalham ou afastam. O que fazer para equalizar ? Não sei se existe fórmula para isso. Acredito que cada casal que deu certo encontrou seu jeito, mas duas coisas eu acho que ajudam: respeito mútuo e não levar tão a sério as próprias manias. Afinal, do jeito que vieram, podem ir embora ou serem transformadas.

TUDO DEPENDE DA VONTADE DE FAZER DAR CERTO E DO QUE VALE MAIS A PENA: UMA SOLIDÃO CHEIA DE MANIAS OU UMA RELAÇÃO COM HÁBITOS INDIVIDUAIS QUE NÃO FEREM NEM MALTRATAM NINGUÉM...

Não deixemos que as manias atrapalhem o amor, a amizade, o trabalho, enfim, a vida !!!

13 de abril de 2009

Utilidade Pública - reportagem da ÉPOCA sobre violência contra a mulher

O link abaixo dá acesso à entrevista feita pela revista Época com a juíza titular do 1º Juizado dedicado à violência contra a mulher em São Paulo - Vanessa Ribeiro Mateus. Ela aponta para um índice alarmante: a cada 15 segundos uma mulher apanha DENTRO DE CASA no Brasil.

Vale a pena ler, nem que seja para saber o que acontece com as mulheres, o que fazer se uma amiga ou conhecida lhe procurar com o problema ou simplesmente para agradecer por não fazer parte dessa estatística pavorosa e revoltante.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI67936-15223,00-VANESSA+RIBEIRO+MATEUS+UMA+MULHER+APANHA+DENTRO+DE+CASA+NO+BRASIL+A+CADA+SE.html

9 de abril de 2009

"Ele não está TÃO afim de você !"

Assisti ao filme Ele não está tão afim de você , baseado em livro homônimo, e amei !!

As histórias de amor, exceto a dos personagens de Ben Affleck e Jennifer Aniston, não são nada de muito especial ou comovente, mas a essência do filme é ótima !! Inclusive porque põe em perspectiva questionamentos e comportamentos femininos e masculinos.

Uma das questões que o roteiro traz à tona é a "programação subliminar" feita durante a educação feminina, que nos faz crescer com a idéia fixa de que é preciso viver um grande amor e nos faz procurar desculpas bem esfarrapadas para insistir em algumas tentativas notoriamente vãs.

Muitas vezes, o que deveríamos ter dito a nós mesmas era apenas: ele não está tão afim de mim (seja tanto quanto eu gostaria ou tanto quanto eu preciso ou tanto quanto eu mereço) e encerrar o assunto. E é oq ue deveríamos dizer, sem problemas, a uma amiga que esteja numa situação similar, mas não... vivemos insistindo em erros, em furadas, em caras que não dão o tratamento que merecemos, não têm os mesmos valores que temos ou dão importância diferente às coisas e gestos.

ELE NÃO ESTÁ AFIM DE VOCÊ. Pronto !! Isso termina com o quase, com o talvez e com o se; termina também com a espera, com a perda de tempo e energia inúteis. Isso põe a fila pra andar !!

E se ele não está afim, outro vai estar, em algum momento, desde que você não fique marcando passo com o carra errado, e errado é o cara que não está afim, que não lhe trata direito, não sabe lhe valorizar ou que é emocionalmente tóxico a você.

Pode sair do lado do telefone, pode aceitar aquele convite da amiga para ir dançar, pode agendar auqela viagem do verão e comprar até o bloco do carnaval: ele não está afim.


Pode parar de se achar errada ou de montar estratagemos aburdos: ele simplesmente não tá afim. isso não tem necessariamente relação com a sua personalidade, seu corpo ou seu cabelo. Ele apenas não está afim.

Sei que parece simplista demais falar assim, mas na verdade a coisa é bem mais simples do que nós mulheres gostaríamos ou costumamos enxergar. Tendemos a florear , romantizar ou dramatizar as coisas, para dar mais importância às nossas experiências do que eleas realmente têm ou para dar mais cor aos nossos dias.